Pesquisar este blog

Carregando...

sábado, 29 de agosto de 2015

Família e o Perdão


"Não existe família perfeita. Não temos pais perfeitos, não somos perfeitos, não nos casamos com uma pessoa perfeita nem temos filhos perfeitos. Temos queixas uns dos outros. Decepcionamos uns aos outros. Por isso, não há casamento saudável nem família saudável sem o exercício do perdão. O perdão é vital para nossa saúde emocional e sobrevivência espiritual. Sem perdão a família se torna uma arena de conflitos e um reduto de mágoas.

Sem perdão a família adoece. O perdão é a assepsia da alma, a faxina da mente e a alforria do coração. Quem não perdoa não tem paz na alma nem comunhão com Deus. A mágoa é um veneno que intoxica e mata. Guardar mágoa no coração é um gesto autodestrutivo. É autofagia. Quem não perdoa adoece física, emocional e espiritualmente.

É por isso que a família precisa ser lugar de vida e não de morte; território de cura e não de adoecimento; palco de perdão e não de culpa. O perdão traz alegria onde a mágoa produziu tristeza; cura, onde a mágoa causou doença"

Recebi essa mensagem sem autor e no Google diz que o autor é o Papa Francisco




quarta-feira, 26 de agosto de 2015

Sobre fofas ilustrações


Hoje trago pra vocês, uma indicação de lindo desenhos de Mônica Crema que vi no
instagram, da tão querida quanto Nine Copetti.
A Mônica é uma ilustradora formada em Designer Gráfico e faz umas
ilustrações tãoooo fofas. Vale a pena dar uma olhadinha na sua página,
mas compartilho aqui com vocês, as minhas favoritas.




Essa última é a minha favorita! Fala verdade gente, é ou não é puro amor! 







terça-feira, 25 de agosto de 2015

Dores, cada um tem as suas


"Dores, cada um tem as suas. Mas o que nos faz cultivá-los por décadas?
Creio que nos apegamos com desespero a elas por não
ter o que colocar no lugar, caso a dor se vá.
E então se fica ruminando, alimentando a própria "má sorte",
num processo de vitimização que chega ao nível do absurdo.
Porque fazemos isso conosco?
Amadurecer talvez seja descobrir que sofrer algumas
perdas é inevitável, mas que não precisamos nos agarrar à dor
para justificar nossa existência".

Martha Medeiros





segunda-feira, 24 de agosto de 2015

A receita da felicidade


"Ao longo de toda história do pensamento, os intelectuais se
sentiram tentados a nos dar sua receita de felicidade. Na filosofia
moderna, Schopenhauer expôs suas ideias a esse respeito no livro
A arte de ser feliz e Bertrand Russell, em A conquista da felicidade.
Um século antes de Nietzsche, Goethe já tinha estabelecido
seus oito requisitos para se ter uma vida plena:
1. Saúde o bastante para trabalhar com prazer.
2. Força para lutar contra as dificuldades e superá-las.
3. Capacidade de admitir os próprios erros e se perdoar.
4. Paciência para perseverar até atingir o objetivo.
5. Caridade para ver algo bom no próximo.
6. Amor para ser útil às pessoas.
7. Fé para transformar em realidade as coisas divinas.
8. Esperança para afastar os temores acerca do futuro.

Livro  : Nietzsche para estressados

Uma semana de paz a todos! 



sexta-feira, 21 de agosto de 2015

E quem não deseja um bom quarto?

Das imagens que amo buscar nesse mundão da internet, com certeza
está entre eles, quartos. Sou daquelas que acredita
que em nosso quarto, é o local onde realmente somos. 
Somos tudo o que queremos e podemos ser.
E quem não deseja um lindo quarto pra descansar, trabalhar, ler?
Pra inspirar e animar vocês a buscarem um cantinho legal, resolvi compartilhar
os quartos que mais gosto.

Esse, se não é meu favorito está entre eles. As cores, os enfeites, a roupa de cama,
dá até pra sentir seu cheirinho delícia não? Amo! 

Os detalhes daqui são puro amor, lindas almofadas, com as escolhas no
criado mudo e sou uma grande fã dessa frase do quadro:
Keep Calm and Carry On (Mantenha a calma e siga em frente).

Esse quarto tem tudo. Um lugar pra escrever, blogar.
Uma cama e um tapete delicia, e um ambiente acolhedor. Inspirador!

Aqui o detalhe fica por conta do papel de parede, bem diferente e original.

Delicadeza e ambientes planejados. Gosto de lugares claro, sempre
acho que descansa a cabeça! 

Gostei da escolhas das cores e quer coisa mais fofa do que
esse jogo de cama? 

Não sei vocês, mas eu sou fã dessa luzes. Vejo em vários quartos e ambientes.
E amo, AMO! Luz de abajur amarela. Por mim, minha casa viveria só dessa cor de luz.
Acho acolhedor.

Não costumo gostar de ambientes inteiro branco, gosto de uma cor, mas
não dá vontade descansar em um quarto assim? Esse jogo de cama e esses vários
travesseiros me lembram aqueles quartos de hotel ma-ra-vi-lho-sos que todo 
mundo deveria ir uma vez na vida.

Achei tão lindo esse papel de parede. Delicadeza ao extremo.

E vocês? Gostaram de algum?















quinta-feira, 20 de agosto de 2015

Eu decidi viver assim


"A viagem começa no momento em que decidimos ir. 
A beleza que nos espera já se antecipa no desejo 
que nos faz arrumar as malas. 
Eu decidi viver assim. As malas estão sempre prontas. 
Quando eu percebo que a vida me chama, 
não penso duas vezes. Eu vou."

Padre Fábio de Melo

Que essa vontade permanece sempre! 



terça-feira, 18 de agosto de 2015

Perdoar é libertar-se


"Se alguém lhe atirasse uma pedra, o que você faria com ela?
Você a ajuntaria e guardaria para atirar no seu agressor em momento oportuno a ou jogaria fora?
Trataria dos ferimentos e esqueceria a pedra no lugar em que ela caiu?
Se você respondeu que a guardaria para devolver em momento oportuno, então pense em como essa pedra irá atrapalhá-lo durante a caminhada.
Vamos supor que você a guarde no bolso da camisa, onde fique bem fácil pegá-la quando for preciso.
Agora imagine como essa pedra lhe causará bastante desconforto.
*Primeiro porque será um peso morto a lhe dificultar a caminhada lhe exigindo maior esforço para mantê-la no lugar.
*Segundo porque cada vez que você for abraçar alguém, ambos sentirão aquele objeto estranho a machucar o peito.
*Terceiro porque se você ganhar uma flor, por exemplo, não poderá colocá-la no bolso já que ele estará ocupado com aquele peso inútil.
*Em quarto lugar, o seu agressor poderá desaparecer da sua vida e você nunca mais voltar a encontrá-lo e, nesse caso, terá carregado a pedra inutilmente.
Fazendo agora uma comparação com uma ofensa qualquer que você venha a receber, podemos seguir o mesmo raciocínio.
Se você guardar a ofensa para revidar em momento oportuno, pense em como será um peso inútil a sobrecarregar você.
Pense em quanto tempo perderá mentalizando o seu agressor e imaginando planos para vingar-se.
Pense em quantas vezes você deixará de sorrir para alguém pensando em como devolverá a ofensa.
E se você insistir em alimentar a ideia de revide, com o passar do tempo se tornará uma pessoa amarga e infeliz, pois esse ácido guardado em sua intimidade apagará o seu brilho e a sua vitalidade.
Mas se você pensa diferente e quando recebe uma pedrada, trata dos ferimentos e joga a pedra fora, perceberá que essa é uma decisão inteligente, pois agirá da mesma forma quando receber outra ofensa qualquer.
Quem desculpa seu agressor é verdadeiramente uma pessoa livre, pois perdoar é libertar-se.
Mais, quem procura a vingança se iguala ao seu agressor e perde toda razão mesmo que esteja certo.
Somente pode considerar-se diferente quem age de forma diferente e não aquele que deseja fazer justiça com as próprias mãos.
Em casos de agressões que mereçam providências, devemos buscar o apoio da justiça e deixar a cargo desta os devidos recursos.
Todavia, vale ressaltar que perdoar não é apenas esquecer temporariamente as ofensas, é limpar o coração de qualquer sentimento de vingança ou de mágoa.
Pense nisso!
A pedra bruta perdoa as mãos que a ferem, transformando-se em estátua valiosa.
O grão de trigo perdoa o agricultor que o atira ao solo, multiplicando-se em muitos grãos que, esmagados, enriquecem a mesa.
O ferro deixa-se dobrar sob altas temperaturas e perdoa os que o modelam, construindo segurança e conforto.
Perdoar, portanto, é impositivo para toda hora e todo instante, pois o perdão verdadeiro é como uma luz arremessada na direção da vida e que voltará sempre à fonte de onde saiu."

Divaldo Franco