terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

Tá tudo bem não ser perfeito


"Vamos, hipoteticamente, dividir o mundo em três grupões de pessoas:

O grupo 1 é aquele que tem as pessoas perfeitas. A galera certinha. Todo o mundo zen. É grupo de gente realizada e bem resolvida. O grupo da retidão. É a galera que anota os gastos em planilha do Excel, coloca CPF na nota, não faz grosseria com a moça do telemarketing, perdoa os chifres do ex e deseja que ele seja muito feliz daqui pra frente amém.

Já o grupo 2 é aquele que não tá nem aí pra hora do Brasil. É o grupo em que vive o ex dos chifres. É a galera que mente na caruda, falsifica carteirinha, bate no carro dos outros, não deixa nem um bilhete e ainda reclama de corrupção. É aquela galera que vai vivendo sem pensar muito no mundo e nos outros porque na real não tem muita capacidade de reflexão.

O grupo 3, por sua vez, é o grupo da meiuca. A galera que tá aí no mundo acertando de vez em quando e fazendo merda de vez em sempre. É a galera que fica meio noiada com as merdas que faz e se esforça pra tentar ser um pouquinho melhor. É a turma que de vez em quando pensa que seria maravilhoso se o ex tomasse uns chifres, mas logo desencana do pensamento vingativo porque tá ligado que atrai coisa ruim. É a galera que até atende o telefone educadamente, mas perde a paciência quando a Cilene liga pela 28ª vez oferecendo cartão do Itaú…

Pois bem. Quero compartilhar umas epifanias com a tchurma do grupo 3.

Então, gente… Não é fácil mesmo não, viu? Eu tô ligada que a gente se esforça, faz terapia, vê vídeo da Monja Coen e recorre à filosofia e às mensagens de gratidão.

Eu tô ligada que a gente se empenha em ser melhor. A gente lê, estuda, reza, medita e se debruça em religião e física quântica, mas eu tô ligada de vez em quando tudo rui.

Eu tô ligada que de vez em quando a gente fica na merda, a gente fica puto, a gente fica louco da vida e fala besteira, faz grosseria e uma ou outra escrotidão. De vez em quando a gente se sente o cocô do cavalo do bandido. De vez em quando não há positividade que dê jeito na gente. De vez em quando a gente morre de raiva, inveja, ciúme, derrotismo e todos aqueles sentimentos que a gente sabe que não são bons não…

Só estou dizendo isso porque acho que essa é uma crise que ultrapassa os limites do meu quarto e esses dias, entre vídeos da monja Coen e as minhas leituras noturnas, eu percebi que isso é só humanidade.

O ser humano é muito mais complexo do que a legendinha da selfie. O que vale é o esforço. Se há a mínima reflexão e o reexame das próprias atitudes, certamente estamos no caminho certo…

Relaxa que lá no grupo 1 é mó solidão…"

 Duda Costa, texto tirado daqui



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Namastê!